Kosmos 1408

Kosmos 1408
Descrição
Tipo ELINT
Operador(es) União Soviética
Identificação SATCAT 13552
Propriedades
Fabricante Yuzhnoye
Massa de lançamento 2,200 quilogramas (2 200 l)
Produção
Antecessor Kosmos 1407
Sucessor Kosmos 1409
Missão
Contratante(s) Yuzhmash
Data de lançamento 16 de setembro de 1982, 04:55 UTC
Veículo de lançamento Tsyklon-3
Local de lançamento Cosmódromo de Plesetsk, 32/2
Especificações orbitais
Referência orbital Órbita geocêntrica[1]
Regime orbital Órbita terrestre baixa
Periastro 645km
Apoastro 679km
Inclinação orbital 82,50º
Período orbital 97,8 minutos (1,63 h)
Notas
Destruído por uma arma antissatélite em 15 de novembro de 2021.
Planet - The Noun Project.svg Portal Astronomia

Kosmos 1408 (Ikar No. 39L[2]) foi um satélite ELINT operado pela antiga União Soviética. Foi lançado em órbita terrestre baixa no dia 16 de setembro de 1982, substituindo Kosmos 1378. No dia 15 de novembro de 2021, o satélite foi destruído num teste de uma arma antissatélite realizado pela Rússia, resultando em detritos espaciais em órbitas de 300 e 1,100km acima da Terra. O risco de uma possível colisão levou a tripulação na Estação Espacial Internacional a refugiarem-se nas naves de retorno.

Propósito e lançamento[editar | editar código-fonte]

O satélite era parte do sistema Tselina-D [en] de satélites de reconhecimento militar.[3][4] Foi desenvolvido por Yuzhnoye e tinha uma massa de aproximadamente 2,200 kg,[5] com uma expectativa de vida aproximada de seis meses.[6] Substituiu o satélite Kosmos 1378.[5]

O satélite foi lançado pelo foguete Tsyklon-3 no dia 16 de setembro de 1982,[6] a partir da plataforma 32/2[7] no Cosmódromo de Plesetsk.[5] Estava em órbita terrestre baixa com um perigeu de 645 km e um apogeu de 670 km, numa inclinação de 82,5º. Seu período orbital era de 97,8 minutos.[1] Substituiu Kosmos 1378.[5]

Destruição[editar | editar código-fonte]

No dia 15 de novembro de 2021, o satélite foi destruído, causando um rastro de lixo espacial que ameaçou a Estação Espacial Internacional.[3] Os sete tripulantes na ISS (4 estadunidenses, 2 russos e 1 alemão)[8] abrigaram-se nas cápsulas de retorno[9] para rapidamente abortarem suas missões no caso dos detritos atingirem a estação.[10] O satélite estava numa órbita pouco acima da estação[4] e os detritos passam por ela a cada 93 minutos.[11] A tripulação abrigou-se somente para a segunda e terceira passagem pelo campo de detritos, após a consideração do risco;[12] Os detritos também colocam outros satélites em perigo.[10]

Subsequentemente o Departamento de Estado dos Estados Unidos acusou a Rússia de ter mirado o Kosmos 1408 durante um teste de uma arma antissatélite, usando o míssil de superfície contra o satélite desativado,[11] dizendo ser uma atitude "perigosa e irresponsável".[8] No dia seguinte, Serguei Choigu, Ministro da Defesa da Rússia, reconheceu que os detritos foram devido a um teste de uma arma antissatélite, mas argumentou que não representava perigo para as atividades espaciais.[13]

O míssil A-235 [en] ("Nudol")[7] foi lançado a partir do Cosmódromo de Plesetsk.[10] O sistema estava passando por testes desde 2014, mas este foi o seu primeiro satélite destruído.[7] O Tratado do Espaço Exterior, ratificado pela Rússia, bane alguns tipos de atividades militares no espaço, mas não o uso de armas do tipo com ogivas convencionais.[14]

O representante estadunidense Ned Price [en] falou que o evento gerou mais de 1500 peças de detritos rastreáveis por radares de solo[11][15] e outras centenas de milhares que são mais difíceis de rastrear.[10] Espera-se que os detritos continuem em órbita por vários anos, possivelmente décadas.[16] No dia 16 de novembro de 2021, orbitavam em altitudes entre 440-520 km.[10] No dia 17, 300-1100km.[17]

O administrador da NASA Bill Nelson declarou que "Com sua longa e relevante história na exploração espacial tripulada, é impensável que a Rússia não só colocaria em risco os astronautas estadunidenses e internacionais presentes na ISS, mas também seus próprios cosmonautas" com dois cosmonautas entre sete tripulantes e as "ações são irresponsáveis e perigosas, também ameaçando a Estação Espacial Chinesa."[18]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b «Trajectory: Kosmos-1408 1982-092A». NASA. 28 de outubro de 2021. Consultado em 15 de novembro de 2021   Este artigo incorpora texto desta fonte, que está no domínio público.
  2. «Jonathan's Space Report Nº 800». 28 de novembro de 2021. Consultado em 30 de novembro de 2021 
  3. a b «Astronauts Forced to Take Shelter as Debris Cloud Threatens Space Station». Gizmodo. Consultado em 15 de novembro de 2021 
  4. a b Trevithick, Joseph. «Russian Anti-Satellite Test Produces Dangerous Debris Cloud In Orbit: Reports (Updated)». The Drive. Consultado em 15 de novembro de 2021 
  5. a b c d «Display: Kosmos-1408 1982-092A». NASA. 28 de outubro de 2021. Consultado em 15 de novembro de 2021   Este artigo incorpora texto desta fonte, que está no domínio público.
  6. a b «Tselina-D (11F619, Ikar)». Gunter's Space Page. 15 de novembro de 2021. Consultado em 15 de novembro de 2021 
  7. a b c Graham, William (15 de novembro de 2021). «Russia tests anti-satellite missile, debris disrupts International Space Station». NASASpaceFlight.com. Consultado em 16 de novembro de 2021 
  8. a b «Russian anti-satellite missile test poses no threat - Moscow». BBC News. 16 de novembro de 2021 
  9. Gohd, Chelsea (15 de novembro de 2021). «Did Russia just launch an anti-satellite test that created a cloud of space junk?». Space.com. Consultado em 15 de novembro de 2021 
  10. a b c d e «Russian anti-satellite test adds to worsening problem of space debris». BBC News. 16 de novembro de 2021 
  11. a b c Grush, Loren (15 de novembro de 2021). «Russia blows up a satellite, creating a dangerous debris cloud in space». The Verge. Consultado em 15 de novembro de 2021 
  12. Potter, Sean (15 de novembro de 2021). «NASA Administrator Statement on Russian ASAT Test». NASA. Consultado em 16 de novembro de 2021 
  13. «Russian anti-satellite missile test poses no threat – Moscow». BBC News. 16 de novembro de 2021. Consultado em 16 de novembro de 2021 
  14. «Outer Space Treaty». United Nations Office for Outer Space Affairs. Novembro de 2021. Consultado em 16 de novembro de 2021 
  15. «US accuses Russia of "dangerous" behavior after anti-satellite weapons test». The Guardian. 15 de novembro de 2021. Consultado em 15 de novembro de 2021 
  16. «Russian direct-ascent anti-satellite missile test creates significant, long-lasting space debris». United States Space Command. Consultado em 16 de novembro de 2021 
  17. Berger, Eric (17 de novembro de 2021). «New images and analyses reveal extent of Cosmos 1408 debris cloud». Ars Technica (em inglês). Consultado em 17 de novembro de 2021 
  18. Weitering, Hanneke (16 de novembro de 2021). «NASA chief Bill Nelson condemns Russian anti-satellite test». Space.com (em inglês). Consultado em 18 de novembro de 2021