Gustavo Petro

Gustavo Petro
56°. Presidente da República da Colômbia (eleito)
Período assumirá em 7 de agosto de 2022
Antecessor(a) Iván Duque Márquez
Senador da República da Colômbia
Período 20 de julho de 2018 até 7 de agosto de 2022
Dados pessoais
Nascimento 19 de abril de 1960 (62 anos)
Ciénaga de Oro, Córdova, Colômbia
Nacionalidade colombiano e italiano
Progenitores Mãe: Clara Nubia Urrego
Pai: Gustavo Petro Sierra
Cônjuge Verónica Alcocer García (c. 2000)[1]
Filhos 6
Partido Colômbia Humana[2]
Religião Catolicismo
Ocupação economista, escritor, ambientalista e político
Residência Bogotá, Colômbia
Website gustavopetro.co

Gustavo Francisco Petro Urrego (Ciénaga de Oro, Córdoba, 19 de abril de 1960) é um político e economista colombiano de ascendência italiana,[3][4] ex-integrante da extinta guerrilha M-19 e atual presidente-eleito da Colômbia. Ex-senador da República pelo período 2018- 2022, fundador do movimento político Colombia Humana. Ele foi candidato à presidência da Colômbia em 2010 e 2018. Em 2020, a Corte Interamericana de Direitos Humanos emitiu uma decisão contra o Estado colombiano por ter removido e obstruído o prefeito de Bogotá de Petro em 2013.

Desde muito jovem viveu em Zipaquirá, Cundinamarca e nesta cidade ocupou vários cargos públicos. Na juventude fez parte da organização guerrilheira rebelde colombiana Movimiento 19 de Abril, que se desmobilizou em 8 de março de 1990. Foi senador da República pelo Pólo Democrático Alternativo (PDA), cargo a que acedeu nas eleições de 2006. Em 2009, renunciou para concorrer à Presidência da Colômbia nas eleições de 2010 em nome da mesma comunidade. Foi prefeito de Bogotá entre 2012 e 2015. Nas eleições de 2022, foi eleito presidente da Colômbia.

Primeiros anos e educação[editar | editar código-fonte]

Filho do professor Gustavo Petro Sierra e Clara Nubia Urrego. Ele nasceu em 19 de abril de 1960 em Ciénaga de Oro, Córdoba. Foi batizado Gustavo Francisco em homenagem a seu pai e avô. Quando ele estava na 2ª série, sua família mudou-se para Zipaquirá. Lá, ele estudou no Colégio de La Salle de Zipaquirá, onde fundou o jornal Carta al Pueblo e um centro cultural que chamou de Gabriel García Márquez. Nessa fase, Petro começou a se reunir com movimentos sindicais e operários em Zipaquirá. Petro se formou aos 16 anos no Colégio Nacional San Juan Bautista de La Salle e obteve uma das melhores notas no exame ICFES para admissão ao ensino superior, em toda Colômbia.

Formou-se economista pela Universidade Externado da Colômbia. Após terminar os estudos universitários, foi eleito deputado pela Aliança Popular Nacional (ANAPO) em 1981 e vereador de Zipaquirá de 1984 a 1986. Após se desmobilizar do grupo guerrilheiro M-19, viajou para a Bélgica, como parte das negociações quando deixou a guerrilha, onde se formou em Meio Ambiente e Desenvolvimento Populacional na Universidade Católica de Louvain. Em seguida, iniciou seu doutorado em Novas Tendências em Administração de Empresas na Universidade Jorge Tadeo Lozano e a Universidade de Salamanca.

Militância no Movimento 19 de abril[editar | editar código-fonte]

Gustavo Petro tornou-se membro do M-19 em 1977. A Colômbia estava sob regime de sítio (que endossava a atual constituição de 1886) 18 após a aparente fraude eleitoral que deu a presidência ao candidato da frente nacional Misael Pastrana e deixou de fora Gustavo Rojas Pinilla, e isso motivou a iniciativa ideológica insurgente chamada M19. Seu pseudônimo era "Comandante Aureliano", em homenagem ao Coronel Aureliano Buendía, personagem do romance Cem Anos de Solidão, do colombiano Gabriel García Márquez. Em 1984, com o M19 em trégua e em negociações de paz, e enquanto era vereador de Zipaquirá, tornou pública sua militância em manifestação na praça principal do município.

Em outubro de 1985, a trégua terminou. Petro morava em um dos bairros de Zipaquirá (Bolívar 83), e uma noite, ainda servindo como vereador e membro ativo da guerrilha M-19, foi capturado pelo Exército e posteriormente condenado por conspiração. Antes de ser levado a um tribunal militar e preso. Petro teve contato com alguém a quem, em suas palavras, "todos no local prestavam homenagens"; ele a princípio acreditou que era Alfonso Plazas Vega. Muito mais tarde, Petro verificou e retificou que Plazas Vega não estava no país durante os dias em que foi torturado.

Em fevereiro de 1987, Petro foi libertado e viajou para Santander e Tolima, onde junto com militantes do M19 como Carlos Pizarro Leongomez, participou do processo de paz entre o grupo e o governo de Virgilio Barco. Como parte da liderança do M-19, e devido à participação do referido grupo na apreensão do Palácio da Justiça, o 30º Juizado Móvel de Investigação Criminal de Bogotá proferiu em 1989 uma decisão acusatória contra ele e outros 25 comandantes do grupo pelos crimes de rebelião, conspiração e porte de armas. Posteriormente, foi confirmado que, durante a tomada do palácio, Petro ainda se encontrava em cativeiro, e a referida acusação foi anulada após o processo de paz levado a cabo com o governo de Barco.

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Como membro ativo do grupo guerrilheiro M-19, foi representante de Zipaquirá em 1980, e se tornou conselheiro independente daquele município entre 1984 e 1986.[5]

Junto com outros desmobilizados do processo de paz, Petro foi cofundador do partido político Alianza Democrática M-19,, movimento que participou da Assembleia Nacional Constituinte de 1991 e foi decisivo na elaboração da Constituição de 1991. Entre 1990 e 1991 , foi assessor do Governo de Cundinamarca, e com o apoio do AD M-19, chegou à Câmara dos Deputados em 1991 para o departamento de Cundinamarca. Em 1994, aspirava ser reeleito na Câmara, mas não chegou votos suficientes. Mais tarde, ele foi ameaçado de morte e decidiu deixar o país; Foi nomeado adido diplomático em Bruxelas pelo governo de Ernesto Samper, e viajou para a Bélgica com sua companheira na época, Mary Luz Herrán, junto com desmobilizados M-19 que foram nomeados para embaixadas europeias; Petro renunciou posição em 1996.[5]

Em 1998, ele aspirou, junto com Antonio Navarro Wolff, à Câmara dos Representantes novamente, desta vez no distrito eleitoral de Bogotá e para o Movimento Vía Alterna, que havia fundado junto com outros ex-militantes AD M-19. Nessa ocasião, conseguiu voltar à Câmara dos Deputados como segunda linha da lista encabeçada por Navarro.[6] Nas eleições de 2002, voltou a aspirar a esta corporação, obteve a maior votação. Durante sua posse, Petro denunciou a suposta infiltração paramilitar na Procuradoria Geral da Nação, durante a gestão de Luis Camilo Osorio.[5]

Polo Democrático Alternativo[editar | editar código-fonte]

Em Via Alterna, formaria uma coalizão eleitoral junto à Frente Social e Política para as eleições de 2002, que posteriormente se consolidaria como o Partido Independente Pólo Democrático (PDI) . A partir de 2005, o PDI se uniria à Alternativa Democrática para formar o Pólo Democrático Alternativo (PDA), movimento que reuniu as diferentes vertentes da esquerda colombiana.

Senado[editar | editar código-fonte]

Em 2006, Petro foi eleito Senador da República com o terceiro maior voto do país. Nesse ano, ele desvelou o chamado escândalo da parapolítica, que demonstrou ligações entre políticos e grupos paramilitares, fato que o levou a ser eleito como o figura política do ano. No final de 2007, também realizou o debate sobre as Farc-política, que relacionava alguns políticos com a guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC-EP), denunciando casos como o do deputado Luis Fernando Almario, que foi preso meses depois.

Durante sua militância no PDA teve algumas divergências com Carlos Gaviria Díaz, ex-presidente da comunidade, desde então; Segundo o Petro, as declarações do Polo não foram fortes o suficiente para rejeitar as ações das FARC-EP, declaração que Carlos Gaviria rejeitou.

Em 2008, promoveu uma divergência partidária por meio da "lista 19" para as eleições para o segundo Congresso da Unidade Nacional do Pólo, apoiada por militantes do partido que consideraram que deveria "aproximar-se de uma posição política moderada, em defesa do progressismo. e longe de teses extremistas radicais. ”40 41“ Lista 19 ”tornou-se a segunda lista mais votada no país com 59.389 votos.

Oposição ao governo de Álvaro Uribe Vélez[editar | editar código-fonte]

Como senador, Petro fez parte da oposição ao governo do ex-presidente Álvaro Uribe, a quem apontou como tendo ligações com o paramilitarismo. Em 2005, na Câmara dos Deputados, Petro revelou que a campanha presidencial de Uribe em 2002 havia recebido apoio financeiro de Enilse López, conhecida como La Gata, posteriormente condenada por vínculos com as Autodefesas Unidas da Colômbia.

Em 17 de abril de 2007, o senador Petro realizou um debate no plenário do Congresso sobre a CONVIVIR e o desenvolvimento do paramilitarismo em Antioquia. Durante o debate, Petro questionou a atuação do então presidente Álvaro Uribe Vélez diante do fenômeno quando era governador daquele departamento. Ele apresentou uma fotografia do irmão do presidente, Santiago Uribe, onde aparece com o narcotraficante Fabio Ochoa.

Petro continuou sua investigação reunindo e apresentando evidências durante vários debates no congresso. Essas revelações abriram as portas de uma forte sanção social contra Uribe na Colômbia por parte de um setor da opinião pública, e o colocaram na mira do TPI com os mais de 250 processos na Procuradoria-Geral da República que existem em seu contra, e que, por diferentes razões, incluindo corrupção dos poderes nacionais, estão atualmente suspensas.

Proposta Presidencial de 2010[editar | editar código-fonte]

Em 2008, Petro anunciou seu interesse em ser candidato à presidência em 2010. Petro se distanciou das decisões oficiais de seu partido e liderou, junto com Lucho Garzón (vinculado à contratação do Carrossel) e María Emma Mejía, uma divergência ideológica dentro do Pólo Democrático Alternativo.

Em 27 de setembro de 2009, foram realizadas eleições internas para escolher o candidato do Polo para as eleições presidenciais de 2010; neles Petro foi o vencedor, batendo Carlos Gaviria.

Nas eleições presidenciais realizadas em 30 de maio, Petro, cuja fórmula vice-presidencial era Clara López, alcançou um total de 1.331.267 votos, o que representa 9,1% do total de votos, o que o colocou na quarta posição .47 Nessas eleições, Juan Manuel Santos foi eleito presidente.

Em 24 de junho de 2010, quatro dias após as eleições presidenciais, Petro se reuniu, por iniciativa própria, com o presidente eleito para iniciar diálogos sobre terra, vítimas e água.

Saída do Pólo Democrático Alternativo[editar | editar código-fonte]

Em 2 de agosto de 2010, em reunião da Comissão Executiva Nacional da comunidade, com base no voto obtido, pretendia ser presidente do partido; No entanto, por decisão da maioria no conselho de administração, Clara López Obregón foi ratificada em funções, Petro conseguiu o apoio de 7 membros da Comissão, enquanto López atingiu pouco mais de 25.

As divergências entre o Petro e as lideranças partidárias foram exacerbadas pela iniciativa de Gustavo Petro de estabelecer contato com o governo santista, diferença que influenciou seu afastamento do PDA. Durante a gestão de um membro do partido, Samuel Moreno, na prefeitura de Bogotá, foram inúmeras as irregularidades na outorga de contratos que a Petro denunciou e investigou com veemência, e que mais tarde ficou conhecida como O Carrossel da Contratação. Depois deste fato, que ele mesmo apontou como um dos casos de corrupção mais graves do país, deixou o PDA e formou seu próprio movimento político denominado Movimento Progressista, com o qual se lançou à Prefeitura de Bogotá nas eleições de 2011.

Prefeito de Bogotá D.C[editar | editar código-fonte]

Candidatura[editar | editar código-fonte]

Após sua saída do Pólo Democrático Alternativo (PDA), Petro constituiu o "Movimento Progressivo" coletando assinaturas e participou como candidato oficial nas eleições locais de 2011 em Bogotá.

Alguns analistas políticos afirmaram que seu registro poderia eventualmente ser anulado, em aplicação do art. 2º da lei estatutária que dá forma à reforma política aprovada em 2009, com a qual o candidato poderia incorrer em dupla adesão ao se apresentar em nome de outro movimento político. Menos de um ano após a sua demissão do PDA, Petro afirmou que este facto "não iria (...) afectar a sua candidatura, uma vez que quando se demitiu do PDA não ocupava aí qualquer cargo de chefia".

Gustavo Petro obteve 32,22% dos votos para o Prefeito de Bogotá em 30 de outubro de 2011, superando seus contendores Enrique Peñalosa que obteve 24,98% dos votos e Gina Parody que obteve 16,76% .

Administração[editar | editar código-fonte]

Na gestão do Petro, foi criada a Secretaria da Mulher e inaugurado o Centro de Cidadania LGBTI. Centros de controle de natalidade e atenção ao aborto também foram criados nos casos permitidos por lei.

Durante a gestão do Petro, medidas como a proibição do porte de armas de fogo foram avançadas, o que levou a uma redução na taxa de homicídios, atingindo o menor valor das últimas duas décadas.

Estabeleceu como política pública em 2012 a ampliação do mínimo vital de água potável de (6m³) para domicílios do estrato 2, após sua implantação com o estrato 1 na prefeitura de Clara López. Programa “Meu Vital”, que substitui os refeitórios comunitários, que consiste na entrega de um pacote de alimentos ou mercado, em troca do almoço que era oferecido em outras administrações.

A Petro também abriu 417 creches distritais em um esquema de contratação diferente do que havia sido realizado, que era uma casa de bairro administrada por mães comunitárias independentes.

Meio Ambiente[editar | editar código-fonte]

Foi proposta como uma política governamental para conservar os pântanos de Bogotá e planejar a preservação da água em face do aquecimento global. Em cumprimento à ordem do Tribunal Constitucional, iniciou-se o processo de eliminação dos veículos de tração animal usados ​​por recicladores, alguns dos quais veículos motorizados e subsídios foram dados.

Durante sua gestão, a Plaza de toros de La Santamaría não foi mais alugada para touradas. A decisão foi declarada inconstitucional pelo Tribunal Constitucional.

Saúde pública[editar | editar código-fonte]

No âmbito da saúde pública, foram criados os Centros Móveis de Atenção ao Toxicodependente (CAMAD) . Com essas medidas, o objetivo foi reduzir a dependência dos moradores de rua no setor e acompanhar os fornecedores de drogas, sem estigmatizá-los ou criminalizá-los. pelo contrário, proporcionando-lhes assistência psicológica e médica. Esse sistema motivou pesquisas sobre integração social, segurança e geração de renda para esses grupos populacionais. O então secretário distrital de saúde, Mauricio Bustamante, reconheceu este sistema como um dos maiores esforços da humanidade de Bogotá para superar a discriminação contra os moradores de rua.

Durante sua gestão, o Distrito abriu duas clínicas de atenção primária no Hospital San Juan de Dios, fechado em 2001. O prefeito prometeu destinar recursos para comprar o terreno do Hospital e reabrir um dos edifícios do complexo. O projeto permaneceu suspenso devido ao fato de o Governo de Cundinamarca ter atrasado a venda dos imóveis. Em 11 de fevereiro de 2015, como Prefeito de Bogotá, a ação formal de reabertura do Complexo Hospitalar San Juan de Dios foi finalmente oficializada após o o Distrito adquiriu o Hospital com vistas a reabri-lo.

Transporte[editar | editar código-fonte]

O governo do Petro deu início à aplicação do Sistema Integrado de Transporte Público (SITP), inaugurado em meados de 2012.69 Também foram criados subsídios pagos pelo Distrito para reduzir as tarifas do Transmilenio. Além disso, desde o início de 2014, passou a entregar um subsídio especial para a população filiada ao SISBEN 1 e 2 de 40% do valor da passagem, que cobre 21 trechos do Sistema Integrado de Transporte Público SITP ou o tronco das avenidas do Transmilenio décimo e vinte e seis, e para o qual investiu 138 bilhões de pesos. Como qualquer subsídio, requer um sistema de registro em banco de dados para ser devidamente atribuído.

A construção do metrô de Bogotá foi uma de suas principais propostas. A administração da Petro deixou os estudos detalhados da infraestrutura do metrô que foram concluídos no final de 2014. Os planos de metrô contratados pela Prefeitura Petro foi suspenso por seu sucessor Enrique Peñalosa.

Em 2013 e 2015, foi levantada a necessidade de aumentar o preço da passagem do Transmilenio em cerca de $ 200 pesos para garantir sua viabilidade financeira.77 Em 2015, foi necessário solicitar ao Ministério da Fazenda um item de apoio ao SITP e Transmilenio.

Demissão, restituição provisória e absolvição[editar | editar código-fonte]

Em 9 de dezembro de 2013, a Procuradoria Geral da Nação decidiu destituí-lo do cargo de Prefeito de Bogotá e desqualificá-lo por 15 anos de cargos públicos por supostamente ter afetado a saúde pública devido à crise de lixo ocorrida na capital 18, 19 e 20 de dezembro de 2012.

A Petro interpôs recursos perante o Tribunal Superior de Cundinamarca e a Comissão Interamericana de Direitos Humanos, que concederam medidas cautelares em favor da Petro. Não obstante o exposto, a decisão do Tribunal foi revertida pelo Conselho de Estado em 14 de janeiro de 2014, e a decisão da Comissão foi rejeitada pelo Presidente da República, que executou a extinção em 19 de março de 2014, nomeando Rafael Pardo como substituto. como prefeito responsável . No entanto, em 22 de abril de 2014, o Tribunal Superior de Bogotá ordenou ao Presidente da República o cumprimento das medidas cautelares expedidas pela Comissão, pelas quais Petro foi reintegrado após 35 dias de demissão.

Em 15 de novembro de 2017, o Conselho de Estado reverteu a decisão do Ministério Público por não ter utilizado critérios técnicos para proferir a decisão de destituição, e ordenou que o Ministério Público indenizasse Petro pagando-lhe os salários que ele não mais entendia como motivo de demissão, indexado. Da mesma forma, o Conselho de Estado exortou o Estado colombiano a implementar: “As reformas que se fizerem necessárias, destinadas a pôr em pleno vigor os preceitos normativos constantes do artigo 23 da Convenção Americana sobre Direitos Humanos.”

Eleição presidencial de 2018[editar | editar código-fonte]

Durante a campanha presidencial de 2018, Gustavo Petro foi acusado de ser partidário de Castro-chavismo. Nesse sentido, o candidato do Centro Democrático, Iván Duque, declarou que “não permitiremos que a Colômbia se torne como a Venezuela” . afirmando que a possível chegada de Petro ao poder faria com que seu país se tornasse uma “segunda Venezuela” e que a ameaça da esquerda deve ser “derrotada e a miséria que o socialismo do século XXI traz para a Colômbia” . Ao contrário, vários analistas políticos têm afirmado que tais afirmações fazem parte de uma estratégia política e publicitária para conquistar adeptos por meio do medo e da desinformação sobre as políticas propostas pela Petro.

Por outro lado, embora Petro na época elogiasse a proposta de "mudança pacífica" que Hugo Chávez representava para a América Latina, rejeitou que propusesse que a redistribuição da renda do petróleo fosse socialismo e afirmou que "a riqueza nasce das economias produtivas e modernas ". Nesse sentido, Petro declarou que na Venezuela" eles querem continuar vivendo exportando petróleo e acabando com suas vidas no planeta, são forças da morte, o que chamam de esquerdistas. "

Da mesma forma, Petro expressou que sua ideia é desenvolver um "capitalismo democrático". Nessas eleições seu principal adversário foi o uribista Iván Duque, contra quem perdeu tanto no primeiro quanto no segundo turno.

Eleição presidencial de 2022[editar | editar código-fonte]

Para as eleições presidenciais de 2022, foi o pré-candidato dos partidos Colômbia Humana, União Patriótica e Partido Comunista Colombiano, que compunham a coligação Pacto Histórico, para eleger um único candidato na consulta interpartidária realizada a 13 de Março de 2022, ao mesmo tempo que as eleições legislativas. Ganhou esta consulta com 80,5% dos votos e escolheu Francia Márquez, uma activista afro-colombiana dos direitos humanos e do ambiente, como sua companheira de candidatura para as próximas eleições presidenciais.

Entre os pontos-chave do seu programa estavam uma reforma agrária para restaurar a produtividade a 15 milhões de hectares de terra para acabar com o "narco-latiffundismo", uma interrupção de toda a nova exploração petrolífera para desabituar o país da sua dependência de indústrias extractivas e combustíveis fósseis, infra-estruturas de acesso à água, bem como o desenvolvimento da rede ferroviária, investimento na educação e investigação públicas, reforma fiscal e reforma do sistema de saúde amplamente privatizado.[7] Ele anunciou que o seu primeiro acto como presidente seria declarar o estado de emergência económica para combater a fome generalizada. Ele defendeu propostas progressivas sobre os direitos da mulher e questões LGBT.[8] Anunciou que iria restabelecer as relações diplomáticas com a Venezuela.[9]

Durante a campanha, enfrentou uma campanha de vários meios de comunicação social procurando equipará-lo ao Presidente venezuelano Nicolás Maduro e afirmando que planeia medidas de expropriação se se tornar presidente. Em resposta aos ataques, assinou um documento público a 18 de Abril no qual se comprometia a não realizar qualquer tipo de expropriação se fosse eleito.[10] O General Eduardo Zapateiro, comandante do exército colombiano, também criticou severamente a Petro durante a campanha, causando controvérsia.[11]

Petro venceu as eleições em segundo turno em 19 de junho de 2022, superando Rodolfo Hernández, obtendo 50,49% dos votos, com uma diferença de pouco mais de 700 mil votos.[12]

Perseguição e ameaças contra sua vida[editar | editar código-fonte]

Gustavo Petro já denunciou em diversas ocasiões ameaças contra sua vida e de seus familiares, bem como perseguições de órgãos de segurança do Estado, motivadas, segundo ele, pelas denúncias que fez no Congresso. Em 7 de maio de 2007, o Exército confirmou a prisão de dois suboficiais da inteligência, capturados dias antes de perambularem na casa da família Petro, no município de Tenjo, Cundinamarca, pela polícia local.

Em outubro de 2008, Petro denunciou com provas documentais que funcionários do Departamento Administrativo de Segurança (DAS) haviam ordenado vigilância ilegal contra membros do Pólo Democrático, incluindo ele mesmo, por serem opositores do governo de Álvaro Uribe. Por isso, María del Pilar Hurtado renunciou, sendo posteriormente julgada, condenada e extraditada para a Colômbia após fugir para o Panamá.

Recebeu ameaças de morte do grupo paramilitar Águilas Negras em 2020.

Reconhecimentos[editar | editar código-fonte]

Em 2018 foi premiado como professor honorário da Universidade Nacional de Lanús, na Argentina, por sua defesa dos Direitos Humanos e da paz.

Referências

  1. «Conheça Verónica Alcocer, esposa de Petro e nova primeira-dama da Colômbia». CNN Brasil. 19 de junho de 2022. Consultado em 20 de junho de 2022 
  2. «Gustavo Petro, Colombia's unorthodox left-wing presidential candidate». www.efe.com (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2022 
  3. «Petro, el italiano». Semana.com (em espanhol). 5 de dezembro de 2018. Consultado em 4 de janeiro de 2021 
  4. «Gustavo Petro dice que es italiano y no necesita visa a Estados Unidos». La FM (em espanhol). 5 de dezembro de 2018. Consultado em 4 de janeiro de 2021 
  5. a b c «Gustavo Petro: el "monstruo" que no supo administrar sus éxitos». El País (Colômbia). 14 de janeiro de 2014. Consultado em 25 de junho de 2022 
  6. «Deputado colombiano protesta contra a presença de Menem». Tribuna da Imprensa, ano L, edição 15172, página 9/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. 1 de outubro de 1999. Consultado em 25 de junho de 2022 
  7. «Colombie, l'année de tous les espoirs». Le Courrier (em francês). 10 de março de 2022. Consultado em 21 de junho de 2022 
  8. Alonso, José María González. «Why is the LGBT community afraid of the new government in Colombia? - LatinAmerican Post». latinamericanpost.com. Consultado em 12 de maio de 2022 
  9. Tiempo, Casa Editorial El (6 de maio de 2022). «Petro anuncia que reanudará relaciones con Venezuela». El Tiempo (em spanish). Consultado em 12 de maio de 2022 
  10. diaria, la (19 de abril de 2022). «Colombia: Petro firmó un documento en el que se compromete a no hacer expropiaciones en caso de que sea presidente». la diaria (em espanhol). Consultado em 12 de maio de 2022 
  11. Semana (22 de abril de 2022). «Comandante del Ejército, general Eduardo Zapateiro, no aguantó más y enfrentó a Gustavo Petro en redes». Semana.com Últimas Noticias de Colombia y el Mundo (em spanish). Consultado em 12 de maio de 2022 
  12. «Gustavo Petro vence eleições e se torna o primeiro presidente de esquerda da Colômbia». G1. 19 de junho de 2022. Consultado em 19 de junho de 2022